Relatos de Viagem ao Marrocos - Meknès e Volubilis



Havíamos contratado uma agência de viagens para nos levar de Rabat para Fez, e aproveitamos para visitar Meknès, Volubilis e Moulay Idriss, que ficam no caminho.

Meknès é considerada uma das cidades imperiais do Marrocos, ao lado de Fez, Marrakesh e Rabat, por ter sido uma das capitais durante o reinado do Sultão Alauita Moulay Ismail.

O centro histórico é considerado patrimônio da humanidade pela Unesco. Foi construído há mais de 350 anos e continua a abrigar mesquitas, palácios e jardins. A cidade histórica é rodeada por uma enorme muralha de 40 km, com ameias e torres. (fonte: Wikipedia).







A primeira parada foi na Praça Lahdime, onde visitamos o Palácio Dar Kebira, que fica em frente, cruzando a rua. O palácio também foi construído por Moulay Ismail no século XVII.






A propósito, a Porta do Palácio é belíssima!




Seguimos até o Mercado, com muitas azeitonas, ameixas, doces e outras guloseimas.








Em seguida, fomos até o Mausoléu do Moulay Ismail, mas, infelizmente, estava em restauração. Entretanto, foi possível visitar o Granero de Moulay Ismail (Les Greniers de Moulay Ismail).









Em seguida, fizemos um passeio pela Medina de Meknès. Mas, como era sexta-feira, muitas lojas estavam fechadas.










Essa foi a nossa visita a Meknès. Almoçamos no Restaurante Palais Terrab, antes de seguir para a Volubilis. 






O menu incluía entradas (azeitonas, batatas, pão), prato principal e sobremesa. Comi um CusCus de carne bovina, bem mais ou menos (seco).





A sobremesa foi esse belíssimo prato de frutas.




Preço total do menu: 130 MAD. 

Ponto negativo: O garçom era bem desagradável, solicitando gorjeta.

Em seguida, fomos à Volubilis, que foi uma cidade romana, razoavelmente preservada, com todos os componentes: templos, tribunais, habitações, foro, ágora, e, até mesmo, um bordel. 






Volubilis cresceu rapidamente sob o domínio romano a partir do século I a.C. até ocupar uma área de aproximadamente 40 hectares, rodeada por muralhas com 2,6 km de perímetro. No século II a cidade foi dotada de uma série de edifícios públicos, nomeadamente uma basílica, um templo e um arco do triunfo. Por volta do ano 285, a cidade foi tomada por tribos locais, mas nunca foi reconquistada por Roma devido à sua localização remota e de difícil defesa, na fronteira sudoeste do Império Romano. Entretanto, continuou a ser habitada durante pelo menos mais 700 anos, primeiro como uma comunidade latinizada cristã, e depois como uma localidade islâmica. (Fonte: wikipedia) 










A visita ao sítio arqueológico é guiada. E as explicações que tivemos do guia foram sensacionais.
Arco do Triunfo




Piso em trabalho de restauração

Para ter uma ideia da grandiosidade da cidade e cada um dos seus componentes, confira o mapa a seguir.





A visita a Volubilis durou aproximadamente uma hora. 

Fizemos, então, uma ligeira passagem por Moulay Idriss, mas a cidade não me chamou tanta atenção assim. 






Moulay Idriss é uma pequena cidade, considerada sagrada para os muçulmanos. Lá se encontra o mausoléu do próprio Moulay Idriss, fundador da cidade e da primeira dinastia árabe e muçulmana do Marrocos. A propósito, Moulay Idriss é descendente direto do profeta Maomé. 

E seguimos rumo a Fez, com direito à parada no caminho, nas proximidades da Barragem Sidi Chahed.












Já era noite, quando chegamos a Fez. Só começaríamos a explorar à antiga cidade imperial no dia seguinte. Confira no próximo post!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Booking.com