Relatos de Viagem ao Marrocos - Casablanca (dia 1)




Marrocos é um país diferente, diversificado, e, acima de tudo, encantador. São tantas paisagens diferentes, que num mesmo dia o turista pode apreciar paisagens com neve, com montanhas e com deserto.

A população é formada, principalmente, por Árabes (70%) e Berbéres (30%). O país é predominantemente muçulmano, com minorias cristãs e judaicas. O país não sofreu os efeitos da primavera árabe e, com os problemas da Turquia e Egito, tende a ser o principal destino turístico do mundo muçulmano.

No país, quase todo mundo fala Árabe (marroquinho) e Francês. Em algumas regiões, fala-se também o Berbère. Mas, não se espante se em muitos lugares turísticos (hotéis, restaurantes, lojas, etc.), falarem Espanhol, Inglês, e até mesmo o Português.

Para chegar ao Marrocos, há voo direto pela Royal Air Maroc, partindo de Guarulhos (GRU) até Casablanca (CMN). Mas, é possível chegar ao Marrocos, fazendo conexão em Lisboa (TAP), em Madri (MAD), em Roma (ROM) ou outros hubs europeus.

Os marroquinos, em geral, são muito simpáticos e amistosos, mas é bom tomar cuidado com ofertas/informações na rua. Especialmente nas medinas, o turista recebe diversas indicações, convites, ofertas, etc. Simplesmente, ignore-as! Eles são um pouco insistentes!

A moeda do Marrocos é o Dirham Marroquinho (MAD) e sua cotação é aproximadamente 1 Euro por 10 MADs.

Nosso roteiro pelo país foi de 11 dias, passando por Casablanca, Rabat, Merknès, Volubilis, Fes, Chefchaouen, Ifrane, Merzouga, Ouarzazate e Marrakesh.


Me perguntaram: teria alguma cidade que você não recomendaria visitar? Minha resposta é NÃO!

Todas as cidades que visitei no Marrocos tem seu encanto. Marrakesh é o principal destino turístico do Marrocos, mas todas as cidades listadas merecem uma visita. Só me arrependi de não ter ficado mais tempo...

Escrevi 12 posts a respeito da viagem ao Marrocos, cujos links estão abaixo:

1. Casablanca (dia 1)
2. Casablanca (dia 2)
3. Rabat
4. Meknès e Volubilis
5. Fez (dia 1)
6. Fez (dia 2)
7. Chefchaouen
8. Rumo ao Deserto do Saara
9. Dunas de Erg Chebbi - uma experiência incrível
10. Dunas de Erg Chebbi a Ouarzazate
11. Ouarzazate a Marrakesh
12. Marrakesh

Casablanca (dia 1)




Casablanca é a maior cidade do país, com 5,5 milhões de habitantes. É o maior centro comercial e industrial do Marrocos. É a terceira cidade turística, após Marrakesh e Agadir, mas, a maioria dos visitantes vem a negócio.

Dia 1

Chegamos ao Aeroporto de Casablanca (CMN) com um voo da Iberia, com conexão em Madri. Compramos o voo no Multiplus por apenas 30 mil pontos.




A Aeronave que faz o voo Guarulhos – Madri é um A330-300, confortável, com configuração 2-4-2 de classe econômica. Tem um bom sistema de entretenimento, com telas individuais e também Wi-fi Onboard (10 USD por 10 MB). Confesso que me surpreendi com a Iberia, pois, a companhia tinha uma imagem muito negativa.

São 10 horas até Madri e 1h30-2hs de Madri para Casablanca.

No Aeroporto de Casablanca, todos os passageiros devem passar pelo raio-X de bagagens na alfândega, o que torna um pouco demorado o processo de desembarque.

No próprio aeroporto, compramos um chip (Sim Card) de celular da Maroc Telecom. Foram 150 Dirhams, já incluídos os créditos para usar Internet.

Contratamos um taxi para o hotel. Na saída, muitas pessoas ficam oferecendo taxi, mas fomos direto falar com o taxista. Pagamos 300 dirhams até o Hotel. (O transfer oferecido pelo hotel saía por 400 MADs).

Se você estiver hospedado num hotel próximo à Estação de trem Casa-Port, tais como, o Ibis Casablanca City Center ou o Novotel Casablanca City Center, vale à pena pegar um trem diretamente no aeroporto. Há, ainda, trens diretamente do Aeroporto de Casablanca para Marrakesh (4 horas) ou para outras cidades. Mais informações, no site da empresa de trens ONCF (http://oncf.ma) (em Francês).




Nos hospedamos no Hotel Gauthier, um hotel Boutique, nas proximidades do Parque da Liga Árabe. Foram aproximadamente R$ 300,00 a diária, sem café da manhã. Os quartos são bons, limpos e modernos. 





O wifi é gratuito. O atendimento no café/restaurante é muito bom e o café da manhã sai por aprox. 8 Euros.





No primeiro dia, no período da tarde, seguimos de Tram até o Mercado Central. A estação Avenue Hassan II fica a aproximadamente 10 minutos de caminhada do hotel. Para comprar o ticket, é necessário usar moedas.





O Mercado Central de Casablanca é pequeno.  É um conjunto de lojas e bancas de frutas, legumes, verduras, etc. Mas, não vi nada de mais e o local nem é agradável assim, apesar de bem elogiado no TripAdvisor.



Marché Centrale - Casablanca (Creative Commons).

Procuramos uma agência de viagens para contratar um passeio entre Rabat e Fes, passando por Meknès e Volubilis.

Contratamos a Olive Branch Tours.  A excursão não foi barata, mas o serviço foi de excelente qualidade. Saia por 665 Euros para 5 pessoas. A vantagem foi ter aproveitado o dia de viagem para já fazer um dos passeios próximos a Fez (Meknès e Volubilis). Mas, também é possível viajar de trem entre Rabat e Fez.





Paramos para almoçar no restaurante Les Fleurs, que fica próximo à agência de viagens. Comi um dos pratos típicos do Marrocos, o Tagine de Veau.





Nesta região, há várias Casas de Câmbio com boas taxas de câmbio (1 Euro por 10,55 Dirhams).

Retornamos caminhando para o hotel, e aproveitamos para tomar um vinho no Hippopotamus, um restaurante e bar muito agradável nas proximidades do hotel. Atendimento excelente. Recomendo! Uma dica é provar o vinho tinto marroquino S de Siroua – Syrah.



Algo chato no Marrocos é que as pessoas podem fumar mesmo em lugares fechados, o que é bem inconveniente para nós brasileiros. 

Neste dia, tivemos apenas um primeiro contato com o Marrocos. Nem imaginávamos as surpresas que estariam por vir. 

Confira os nossos próximos posts....

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Booking.com