Relatos de Viagem: Trieste, Itália



Trieste é uma cidade portuária italiana que fica a 100 km de Liubliana, na Eslovênia, ou seja, 1 hora de carro na excelente rodovia E61. Com uma população de 200 mil habitantes, a cidade é uma das regiões mais ricas da Itália.

Tem atrações suficientes para passar um dia e a maioria delas fica concentrada na Città Vecchia, região central – às margens do Golfo de Trieste. Destaca-se pelos seus pubs e cafés, pelos seus calçadões e pela sua vista ao mar.

Apesar de ter gostado da cidade, eu pessoalmente gastaria no máximo 2 dias por lá. Passaria um dia na região central (Città Vecchia) e outro visitando as atrações mais afastadas como a Grotta Gigante e o Museo Storico Castello di Miramare.


A Grotta Gigante, lit. caverna gigante, já constou do Guiness como sendo a maior caverna do mundo aberta ao turismo. Sua câmara central é a maior do mundo, com 167 metros de comprimento, 76 m de largura e 98 m de altura. Um tour guiado percorre um caminho subterrâneo de 850 metros, descendo até 100 metros abaixo do nível do solo. Dura aproximadamente 1 hora. A caverna fica no vilarejo Borgo Grotta Gigante, município de Sgonico, a 15 km de Trieste. Você pode chegar lá a partir do centro de Trieste pegando o Ônibus n° 42 a partir da Piazza Oberdan. A entrada da caverna custa 12 Euros (há descontos para idosos e crianças). 

Era nosso sexto dia de viagem. Seguimos de carro de Liubliana para Trieste. Na chegada, uma serra íngreme nos esperava até chegar ao litoral (Golfo de Trieste).

Passando pela Estação Ferroviária, estacionamos o veículo num estacionamento no início da Via Milano (esquina com a Corso Camillo Benso Conde di Cavour). Custou 8 Euros por 8 horas.

Dica: Você pode chegar a Trieste de trem a partir de Veneza, Udine e Milão. Não há ligações ferroviárias com a Eslovênia.




Seguimos à pé em direção à Piazza Unità d’Italia (Praça Unidade da Itália). Lá estava acontecendo uma competição de estudantes no momento.




A praça é bonita e é um dos cartões postais da cidade, juntamente com o Canal Grande di Trieste. Tem formato retangular e é circundada por diversos edifícios e palácios. O que mais se destaca é o Palácio do Município.

Nossa primeira parada foi no escritório de informações turísticas que fica ao lado da Praça (no Palácio do Lloyd Triestino). Lá tivemos uma sugestão de roteiro para percorrer a pé. Dá para explorar a região central caminhando, apenas com algumas subidas para chegar a algumas atrações.

Dica: Sempre que visitar uma cidade diferente e não souber por onde começar a conhece-la, visite o Tourist Information. O escritório costuma estar localizado nas áreas centrais ou onde há maior concentração de turistas.



Seguimos para o Santuário Santa Maria Maggiore. Uma escadaria dá acesso a essa bela igreja católica que fica próxima à Praça da Unidade Italiana. Igreja bem decorada, com muitas pinturas no altar. Se você aprecia arte sacra, vale a visita.








Ao lado da igreja uma viela dá acesso à Via della Catedrale, uma rua que, como o próprio nome diz, dá acesso à Catedral de Trieste que fica no alto de uma colina. Prepare-se para subir!





Subindo pela Via della Catedrale até a Catedral. No caminho, você também pode visitar o Civico Museo di Storia ed Arte – Orto Lapidario, que contempla objetos de arte e de valor histórico do Antigo Egito, do Império Romano, e das Civilizações Maia, Cipriota e Tarantina. A entrada é gratuita! Mas fique atento aos horários.




No alto da colina, está a Cattedrale di San Giusto, também conhecida como Catedral de Trieste. Esta bela catedral de pedra remonta ao século XIV (1320) e foi construída em homenagem a São Justo. É uma Catedral Católica Romana, sede do bispado de Trieste. 












Vale sem dúvida uma visita!





Já era hora de almoçar e resolvemos procurar algum restaurante nas proximidades, para não precisar descer a colina. Depois de procurar bastante, encontramos a Antipastoteca di Mare alla Voliga, um restaurante de frutos do mar, considerado o 9° do ranking do TripAdvisor.





Decepcionante! Só para confirmar a regra de que almoçar na Itália não é essas coisas assim, pelo menos na minha experiência.

O atendimento era bem ruim. O restaurante estava vazio, pedimos para mudar para uma mesa mais confortável, o que foi negado pelo atendente. Provamos quatro espécies de peixes com uma polenta. Comida oleosa e nada especial!




Hora de visitar o Castelo di San Giusto, uma das principais atrações de Trieste. A visita custa apenas 3 Euros e dá entrada ao Castelo, ao Museu do Castelo e ao Lapidario Tergestino. O castelo fica aberto, em regra, de terças à domingos (das 10 às 19hs no verão e das 10 às 17hs no inverno).








O castelo levou aproximadamente dois séculos para ser construído (1468 a 1636). Começou com uma casa fortificada e que foi transformada, posteriormente, em uma fortaleza em formato triangular com um bastião em cada ponta.



Planta do Castelo (fonte: site do Castelo)


Por estar situado no alto da colina, o que há de mais interessante no castelo é a vista da cidade, do golfo de Trieste e da parte da cidade afastada da costa. Suba até o chamado Bastião de Veneza e aprecie esse panorama ...







Em frente ao Castelo, ainda na Colina de São Justo, fica uma agradável praça com um monumento, "enfeitado" por diversos pássaros que por alí passam, e alguns resquícios de construções do império romano.








Retorno à parte baixa da cidade e aproveitamos para passear pelas ruas da região. Ao redor da Praça da Unidade Italiana, há muitas ruas fechadas para carros, o que torna agradável a vida do pedestre.





Paramos para apreciar três pontos principais nessa região central: o Teatro Romano, o Grande Canal de Trieste e a Praça da Bolsa.








O Teatro Romano é um anfiteatro que remonta ao início da Era Cristã. Podia acomodar até 3.500 expectadores. Foi feito totalmente de alvenaria, com exceção do palco que era feito de madeira. As estátuas que adornavam o teatro foram retiradas e agora constam do Museu Orto Lapidario. O teatro é de fácil acesso aos turistas, próximo à Piazza della Borsa e à Praça da Unidade Italiana. Infelizmente, os turistas não podem entrar. 




A Piazza della Borsa (Praça da Bolsa) é uma praça adjacente à Praça da Unidade Italiana, sendo, também, fechada ao tráfego de veículos. Teve uma grande importância histórica para a cidade, pois foi o centro econômico durante todo o século XIX. O que se destaca na praça é o Palácio da Câmara de Comércio, a antiga Bolsa. Ao redor você encontrará, também, diversas lojas, cafés e restaurantes.




O Grande Canal de Trieste é, como falei, um dos cartões postais da cidade. É perpendicular ao litoral. Foi construído no século XVIII como forma de ampliar a área navegável da cidade. Termina na Piazza Sant’Antonio Nuovo. Atualmente, só existe uma Ponte sobre o Canal, a Ponte Rosso.





No final, uma parada para tomar Café com Crostine. E retornamos para Liubliana.

Jantamos no Restaurante Julija. Excelente atendimento. Comi um Rumpsteak. Muito bom!





No dia seguinte, seria, finalmente, a vez de descobrir Liubliana ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Booking.com