O que fazer quando as passagens aéreas estão absurdamente caras?




Ao pesquisar passagens aéreas, cada vez mais nos deparamos com preços absurdamente caros, muito acima do que estávamos acostumados a pagar. 

Foi o que aconteceu semana passada, quando, pesquisando uma passagem entre Guarulhos (GRU) e Brasília (BSB), no dia 2/4/2018, encontrei o seguinte preço pela Latam Airlines: 





Ou seja, um voo de 1h20 min de duração custando mais de R$ 1.600 reais!!!  

Obviamente, acabei não comprando a passagem. Estarei voltando de uma viagem internacional na Páscoa e preciso encontrar uma passagem para Brasília na segunda-feira de manhã.

Outro exemplo, no dia 29/3/2018, também pela Latam, entre Brasília (BSB) e Foz do Iguaçu (IGU) por R$ 1.615,00.




Isso tem sido frequente nos voos domésticos desde o ano passado. Os voos domésticos acabam saindo mais caros que voos internacionais.

Isso não quer dizer que houve um aumento médio significativo nos preços das passagens, mas sim que em algumas datas os preços ultrapassam muito o montante razoável. A propósito, segundo a ANAC, a tarifa média real no 1° semestre de 2017 caiu 2,6% em relação ao 1° semestre de 2016 (fonte Aeroflap).

Ocorre que, em função da crise econômica, as companhias aéreas acabaram cortando muitos voos ou até mesmo rotas e, assim, reduzindo a oferta de assentos.

E, o turista, diante dessas passagens absurdamente caras, o que deve fazer?

Neste post, vamos apresentar algumas opções. Confira!


1ª. Opção: Pesquisar em outras companhias aéreas


Um levantamento realizado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA, relativo a 2016, demonstrou que, para uma mesma rota doméstica, a diferença entre as tarifas pode chegar a R$ 2.000

Nas rotas em que há pelo menos três companhias aéreas, é possível economizar, em média, R$ 231, apenas comparando as tarifas com as concorrentes. Em percentual, esta diferença chega a 379%, considerando as tarifa mais cara e a mais barata (fonte: Folha de São Paulo).

Afirmo isso apenas para ilustrar que é importante pesquisar, é importante comparar preços entre as companhias aéreas.

E onde você deve pesquisar? Nos metabuscadores.

Quer saber mais sobre como usar os metabuscadores? Clique aqui.


2ª. Opção: comprar passagens aéreas com milhas/pontos


Nem sempre os preços das passagens estão “alinhados” com os pontos ou milhas exigidos pelos programas de fidelidade. Melhor dizendo, é comum encontrar passagens caras se pagas com dinheiro, mas que se emitidas pelos programas de fidelidade exigem apenas poucos pontos/milhas.

E você pode se aproveitar disso, num cenário de passagens caras.

Em razão disso, eu sempre recomendo que você tenha uma “poupança” em milhas/pontos de vários programas de fidelidade para utilizá-los nessas horas.

E se eu não tiver pontos/milhas? O que eu faço?

Minha dica é procure algum amigo que tenha milhas/pontos e peça para ele emitir para você.

Outra dica é comprar os pontos para completar o seu saldo, ou ainda, transferir pontos do cartão de crédito ou de outros programas que permitem tal transferência.

Se isso não der certo, sugiro utilizar um site como o MaxMilhas, que permite a emissão de passagens com milhas, pagando em dinheiro.

Leia também: Comprar passagens com dinheiro ou com milhas aéreas?


3ª. Opções: procure aeroportos alternativos


Grandes cidades, não só no Brasil, como no exterior, costumam ser servidas por mais de um aeroporto. É o caso, por exemplo, de São Paulo, Rio de Janeiro, Londres, Paris, Berlim, Milão, Nova Iorque, Washington DC, dentre outras.

Você sabia que 6 aeroportos atendem a cidade de Londres, na Inglaterra? Heathrow (LHR), London City (LCY), Luton (LTN), Gatwick (LGW), Stansted (STN) e Southend (SEN).

Ao pesquisar os preços de passagens aéreas partindo ou chegando a alguma destas cidades, você deve considerar a possibilidade de utilizar um  aeroporto alternativo e obter preços até 50% mais baixos.

Você não precisa fazer uma pesquisa para cada aeroporto. Pode simplesmente utilizar um código IATA genérico que se refere a todos os aeroportos que servem aquela cidade.

Por exemplo: o código SAO se refere aos aeroportos de Guarulhos (GRU), Congonhas (CGH) e Viracopos – Campinas (VCP).

Quer saber mais, leia aqui.


4ª. Opção: flexibilidade nas datas e horários


Os preços das passagens aéreas variam conforme vários fatores, dentre os quais, as datas e os horários de embarque.

Se você tiver flexibilidade para viajar num dia antes ou num dia depois, ou, ainda, num horário mais cedo ou mais tarde, aproveite essa flexibilidade e faça boas economias.

No nosso exemplo acima, quem viaja entre GRU e BSB no dia 2/4/2018 (segunda-feira) deverá pagar, no mínimo, R$ 1.674,43. Mas, se você fizer essa viagem no dia seguinte, dia 3/4/2018 (terça-feira), poderá pagar R$ 118,43.

5ª. Opção: comprar passagens para horário mais tarde e tentar antecipar


Algumas companhias aéreas domésticas permitem que você antecipe o seu voo para o mesmo dia, se houver vaga.

A Latam permite que você antecipe seu voo anterior no mesmo dia. A Gol permite que você antecipe seu voo em até 6 horas. Há algumas regras para antecipação que podem variar conforme cada companhia aérea.

Ocorre que às vezes os voos mais tarde podem ser mais baratos que os voos mais cedo.
E uma tática para enfrentar as passagens caras é justamente comprar um ticket de um voo mais tarde e antecipá-lo no dia.

Entretanto, essa abordagem é arriscada. Pode ser que você não encontre vaga no dia ...


6ª. Opção: aguardar um momento oportuno para comprar.


Como as passagens aéreas estão desregulamentadas (diferentemente do transporte rodoviário), elas podem variar com o tempo (entre a compra da passagem e a data do embarque). E como variam! Observe o gráfico abaixo:





Leia nossos posts: 

Se nada disso der certo, e se você puder, adie a viagem para aquela localidade. Procure um outro destino!

Se você aceitar essas tarifas absurdas, as companhias aéreas terão pouco incentivo para baixar os preços.

E como eu resolvi o meu problema?


Aguardei uma semana e acabei de comprar uma passagem entre Guarulhos e Brasília pela GOL por R$ 140,00, bem mais em conta que R$ 1,6 mil. 

Tem alguma outra dica? Deixe aqui nos Comentários...

Não deixe de ler nossa série: Dicas para comprar passagens aéreas baratas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Booking.com