Aracaju não costuma estar no radar daqueles que viajam pelo Brasil, mas a capital sergipana possui muitos pontos fortes em relação aos demais destinos brasileiros. Neste artigo, comento os principais motivos pelos quais você deve visitar Aracaju.

Como alguém que morou 4 anos na capital sergipana e que retorna quase todo ano para lá, eu afirmo que “sim” – Vale a pena visitar Aracaju!


Leia também:


Aracaju é para quem quer tranquilidade!

Duna Beach, Aracaju
Barraca de praia Duna Beach em Aracaju

O primeiro ponto forte tem a ver com o próprio fato de não ser muito procurada pelos turistas. De fato, Aracaju é um destino para quem quer tranquilidade, para quem viaja com crianças, para idosos e para casais que não querem muita agitação. A maioria das atividades é diurna e, à noite, o ideal é você aproveitar um bom restaurante e caminhar pela Orla.

Apenas em duas épocas do ano a cidade se agita: no Pré-Caju, carnaval fora de época que ocorre geralmente em janeiro [interrompido em 2014, mas que deve retornar], e nas Festas de São João, que ocorrem em junho. Na época de Carnaval propriamente dita, a cidade fica “vazia”, pois muitos foliões viajam para Salvador, que fica a poucas horas de carro.

Eventualmente, shows e eventos movimentam também a cidade. Há alguns bares com forró e música ao vivo, mas, em geral, Aracaju é para quem quer relaxar e aproveitar uma praia e não para quem quer festas e baladas.

Se esse é seu perfil de turista, confira a seguir, os 15 motivos para conhecer Aracaju!

1. Preços mais em conta

Dentre as capitais nordestinas, Aracaju é uma das mais em conta para visitar. Os preços dos serviços, inclusive hospedagem, são mais baratos que muitos destinos turísticos brasileiros. Além disso, há opções para todos os gostos, seja de restaurantes, de barracas de praia e de acomodações.

  • No post Onde ficar em Aracaju, mostro que há opções de hospedagem bem avaliadas a partir de R$ 80 para o casal.

Por outro lado, você não gastará muito com transporte, pois tudo é muito perto, como você verá a seguir. O serviço de transporte por aplicativo Uber também está disponível.

Obviamente, em épocas de eventos, tais como, o Pré-Caju, Festas de São João ou Reveillon, a ocupação dos hotéis aumenta e os preços acabam ficando mais caros.

2. Praias

Praia da Aruana em Aracaju
Praia da Aruana em Aracaju

As praias são as principais atrações de Aracaju. Apesar de não serem as mais belas praias do Nordeste, elas são agradáveis, com águas mornas e areias mais compactas, ideais para quem gosta de fazer uma caminhada ou até uma corrida.

O litoral de Aracaju é contínuo, não é recortado como o de Ubatuba/SP, por exemplo. Por isso, não há uma demarcação clara entre as praias, sendo difícil saber onde começa uma e termina outra. Uma enorme faixa de areia contínua de 18 km estende-se entre o extremo norte da Praia da Atalaia e o extremo sul da Praia do Mosqueiro.

De norte à sul, as praias de Aracaju são as seguintes:

  • Praia dos Artistas
  • Praia da Atalaia
  • Praia da Aruana
  • Praia do Robalo
  • Praia do Refúgio
  • Praia do Náufrago
  • Praia do Mosqueiro.

Ao longo do litoral aracajuano, você encontra diversos quiosques ou barracas de praia, com mesas, cadeiras e alguma infraestrutura para banho. São servidos lanches, petiscos, bebidas ou refeições. Há quiosques de todos os tipos, mais simples ou mais luxuosos, com mais ou menos infraestrutura.

Além das praias situadas no município de Aracaju, há outras nos arredores e de fácil acesso. Ao sul, você encontra as Praias de Caueira, Abaís e do Saco, localizadas nos municípios de Itaporanga d’Ajuda e de Estância, respectivamente.

Ao norte, você encontra a Praia de Jatobá, no município de Barra dos Coqueiros/SE, e a Praia de Pirambu, no município de Pirambu/SE. Para esses destinos, é conveniente alugar um carro, pois as opções de transporte coletivo e, até mesmo, de transporte por aplicativo (Uber) podem ficar restritas.

Se isso tudo não bastasse, você ainda tem as “praias de rio” como é o caso da Croa do Goré, que, na verdade, é um banco de areia no meio do Rio Vaza-Barris onde foram instaladas diversas tendas de palha. Para chegar lá, é necessário pegar um barco na chamada Orla do Por do Sol.

3. Cidade relativamente segura, limpa e organizada

Passarela do Caranguejo, Orla de Atalaia, Aracaju, Sergipe
Passarela do Caranguejo: início da Orla de Atalaia

Infelizmente, nenhuma cidade brasileira é 100% segura. Nos últimos 10 anos, houve uma piora significativa nos indicadores das capitais nordestinas, inclusive aquelas de médio porte. Com Aracaju não foi diferente.

Mas, Aracaju ainda preserva aquela sensação de tranquilidade e segurança, pelo menos, nas áreas de interesse turístico. A Orla de Atalaia, por exemplo, é bem iluminada e bem policiada. O local costuma ficar movimentado à noite, o que reforça essa expectativa de segurança. Confesso que fico muito mais tranquilo passeando em Aracaju que nas demais capitais nordestinas.

Às vezes, o sensacionalismo dos jornais na cobertura de casos policiais faz parecer que a situação é muito mais grave do que realmente é.  Na maioria das vezes, a violência é setorizada e não atinge os turistas. De qualquer forma, você deve tomar as cautelas básicas, como não ostentar, não caminhar em locais escuros e pouco movimentados, não levar muito dinheiro e coisas de valor que possam despertar o interesse de algum marginal.

A área turística urbana também é limpa e organizada. Alguns trechos, na minha opinião, são muito bonitos e agradáveis como é o caso da Orla de Atalaia e da Avenida Beira Mar, especialmente, nas proximidades do bairro Jardins.

4. Clima quente o ano inteiro

Vista da Praia de Aruana, Aracaju, Sergipe
Belíssima Vista da Praia de Aruana

Se você está cansado do frio, Aracaju é o seu destino. A capital sergipana é quente o ano todo. Mesmo no “inverno”, a temperatura não cai abaixo de 23°C. Ar-condicionado, portanto, é requisito essencial!

Há basicamente duas estações: a estação seca, que vai de outubro a abril, e a estação chuvosa, que vai de maio a agosto, aproximadamente. De dezembro a março, faz muito calor e a temperatura chega facilmente a 35°C. Entre junho e julho, o clima é mais ameno. Pode chover bastante, mas, se você ficar, por exemplo, 7 dias na cidade, vai conseguir aproveitar alguns dias de sol e de praia.

Vale a pena visitar Aracaju em qualquer época do ano, mas eu, particularmente, prefiro visitar a cidade nos meses de setembro a novembro ou de março e abril.

5. Tudo é perto

Em Aracaju, quase tudo é perto, começando pelo aeroporto da cidade, que fica a 10 minutos de carro da Orla de Atalaia, onde ficam os principais hotéis da cidade. As praias do litoral sul também ficam a 10-15 minutos de carro, quando não há trânsito. Também, em condições normais de trânsito, você leva, no máximo, 20 minutos para chegar aos principais pontos de interesse de Aracaju. Como falei, o serviço de Uber está disponível na cidade. De qualquer forma, dependendo de onde você se hospedar, poderá fazer praticamente tudo a pé.

Normalmente, não há trânsito de/para as praias durante a semana. Nos finais de semana e feriados, costuma haver um grande movimento na rodovia em torno das 10-11 horas da manhã para ir e no final da tarde para voltar.

6. Orla da Atalaia

Arcos da Orla de Atalaia, Aracaju, Sergipe
Arcos da Orla de Atalaia

Quem visita Aracaju se surpreende com a Orla de Atalaia, que, sem dúvida, é o principal cartão postal da cidade. Para alguns, é a orla mais bonita do Brasil. Trata-se de um imenso calçadão de 4 km às margens da Praia da Atalaia e do bairro de mesmo nome.

Ao longo da orla, encontram-se restaurantes, bares, sorveterias, quiosques, lojas de artesanatos, quadras esportivas, pistas de patinação, lagos, kartódromo e parque de diversões. Além disso, por lá, estão também os famosos Arcos da Orla de Atalaia e o letreiro “Eu Amo Aracaju”. Na parte sul, está a Passarela do Caranguejo, um conjunto de bares e restaurantes que tem o Caranguejo como prato principal e fica muito animado durante à noite. O mais tradicional deles é o Cariri, onde você pode praticar seus passos de forró. Enfim, são muitas atrações!

A Orla é um lugar agradável para passear durante o dia e à noite. Nessa região há base da polícia turística, o que a torna relativamente segura, mas não é recomendável ostentar bens de valor quando estiver por lá.

Em frente à Orla, cruzando a Av. Santos Dumont, encontram-se vários hotéis e pousadas.  É a região preferida para se hospedar.

7. Orla do Por do Sol

Orla do Por do Sol, Aracaju
Orla do Por do Sol, Aracaju

A Orla do Por do Sol é um calçadão localizado no bairro Mosqueiro às margens do Rio Vaza-Barris, extremo sul de Aracaju. Além do belíssimo cenário natural, os barcos ancorados na margem e os caminhos feitos de madeira dão um toque especial ao lugar.

É bem menor que a Orla de Atalaia, mas também é um ponto turístico muito apreciado pelos locais e pelos turistas. Como o próprio nome diz, o local é ideal para apreciar o Pôr do Sol. Siga para lá em torno das 16 hs.

Além de contemplar o sol, a Orla do Por do Sol também é o ponto de partida de excursões pelo Rio Vaza-barris, passando pela Croa do Goré e pela Ilha dos Namorados. Se você gosta de praticar o Stand Up Paddle (SUP), também recomendo ir para lá. Só fique atento que, quando passar uma lancha, as ondas podem fazê-lo cair no Rio. Com o tempo, você aprende a se equilibrar.

8. Restaurantes para todos os gostos

Salada Caprese no Restaurante La Vecchia, Aracaju
Salada Caprese no Restaurante La Vecchia

Se você gosta de carne, frutos do mar ou de massas, se você gosta da cozinha tradicional nordestina ou da cozinha internacional, se você gosta de comidas finas ou de um self-service por quilo, em Aracaju, você encontrará um restaurante próprio para você.

Dentre os restaurantes tradicionais, onde você pode apreciar uma deliciosa carne de sol, destaco: a Carne de Sol do Ramiro e o restaurante O Miguel.

Se você quiser comer frutos do mar com preços em conta, recomendo o República dos Camarões, na Orla de Atalaia, e o Rei do Guaiamum, próximo ao Mosqueiro.

Por sua vez, se você quer restaurantes mais finos, você pode ir ao Sollo, na Aruana, ao Muratto e ao Carro de Bois, na Atalaia, e no La Vecchia e no Bravo Cuisine, no bairro Salgado Filho.

9. Amendoim molhado

Bem típico de Aracaju (e de alguns outros destinos nordestinos) são os amendoins molhados, vendidos pelos ambulantes nas praias. O amendoim é cozido e não torrado, como você pode encontrar em outras partes do país. Você abre a casquinha e come acompanhado de uma cerveja. Delicioso!

Os donos das barracas de praia já estão acostumados e não costumam criar caso se você consumi-los por lá. Alguns até te fornecem um saquinho para você juntar os restos de cascas.

10. Boas opções de hotéis

Aruanã Eco Praia Hotel, Aracaju, Sergipe
Aruanã Eco Praia Hotel, no bairro Aruana

Aracaju dispõe de uma boa rede hoteleira, concentrada, principalmente, na Orla de Atalaia. Há acomodações de boa qualidade para todos os gostos, desde hostels até hotéis 4 estrelas.

É bem verdade que Aracaju não dispõe de um Resort como os da Costa do Sauípe (o único resort de Sergipe fica na Barra dos Coqueiros/SE). Entretanto há hotéis com excelente infraestrutura, tais como, piscinas, restaurantes, academia e spa, com excelente localização que te oferecem uma boa flexibilidade na sua estadia. Se você quer ficar no hotel, pode ficar, se quiser sair para uma praia, conhecer uma atração ou restaurante diferente, também tem essa opção.

Os preços, como mencionei anteriormente, são bem mais em conta que os das demais capitais nordestinas e começam a partir de R$ 80 para o casal.

No post Onde ficar em Aracaju, recomendo aos viajantes se hospedar em três regiões de Aracaju: na Orla de Atalaia, na Aruana e no bairro Jardins e arredores. Cada um destas regiões é destinada a um público específico. Não recomendamos ficar no Centro de Aracaju e na Barra dos Coqueiros, que é um município vizinho.

11. Variedade de Atrações

Obra de Arte no Centro de Arte e Cultura J. Inácio, Aracaju
Obra de Arte no Centro de Arte e Cultura J. Inácio

Além das praias, Aracaju oferece aos seus turistas uma grande variedade de atrações naturais e histórico-culturais, tais como:

  • Museu da Gente Sergipana
  • Projeto Tamar
  • Colina e Igreja Santo Antônio
  • Mercado Municipal
  • Centro de Arte e Cultura J. Inácio
  • Parque da Sementeira

12. Variedade de Passeios (day trips)

Passeio de Barco no Canion do Xingó, Rio São Francisco
Passeio de Barco no Canion do Xingó (créditos: Washington Moraes/CC BY-SA 3.0)

Você ainda pode fazer passeios de um dia (day trips) ao redor de Aracaju, tais como:

  • Cânion do Xingó
  • Mangue-Seco
  • Praia do Saco
  • São Cristóvão
  • Passeio de Barco pela Croa do Goré e Ilha dos Namorados
  • Parque dos Falcões
  • Foz do Rio São Francisco
  • Lagoa dos Tambaquis e Praia da Caueira
  • Rota do Cangaço
  • Fazenda Boa Luz

A minha única restrição é com o passeio de um dia ao Cânion do Xingó. O lugar é muito bonito, mas fazer um day trip para lá é muito cansativo e você acaba não aproveitando muito. Conto como foi a minha experiência aqui.

Se quiser visitar o Cânion, recomendo que vá para num dia para Canindé de São Francisco/SE e volte no outro. Você também pode visitar a cidade vizinha de Piranhas, em Alagoas.

13. Voos a partir das principais capitais brasileiras

Aeroporto de Aracaju, Saguão de Check-in
Aeroporto de Aracaju, Saguão de Check-in

Aracaju tem ligações aéreas diretas com as principais metrópoles brasileiras, tais como: São Paulo (GRU), Rio de Janeiro (GIG), Brasília (BSB), Campinas (VCP), Salvador (SSA) e Recife (REC). A partir das demais capitais, você precisa fazer, no máximo, uma conexão para chegar à capital sergipana.

Quatro companhias aéreas operam em Aracaju: a Latam, a Azul, a Gol e a Passaredo.

O Aeroporto de Aracaju (AJU), apesar de simples, não costuma ficar muito movimentado.

De qualquer forma, é preciso salientar que, mesmo com a sua concessão à iniciativa privada (espanhola Aena Desarollo Internacional), não foram realizadas as obras de infraestrutura necessárias para o aeródromo, nem pela Infraero, nem pela atual concessionária. Por ser uma cidade turística, acho que o aeroporto deixa um pouco a desejar.

14. A capital da Qualidade de Vida

Em 2008, Aracaju foi considerada a capital brasileira da Qualidade de Vida. Neste ano, o Ministério da Saúde traçou o ranking das capitais mais saudáveis do país, ouvindo 54 mil pessoas nas 26 capitais e no Distrito Federal.

Aracaju foi assim considerada pelos hábitos saudáveis da população, incluindo, o incentivo do uso de bicicleta como meio de transporte.  Nessa época, professores de educação física estavam a postos a qualquer hora do dia para orientar milhares de alunos gratuitamente.  Essa premiação foi, inclusive, tema de uma edição do Globo Repórter, na TV Globo. 

Não sei dizer como foi a evolução desse ranking desde então, mas posso dizer que é muito comum em Aracaju ver pessoas praticando esportes (mesmo desde cedo, às 5hs da manhã), andando de bicicleta e praticando esportes aquáticos como o KiteSurf e o Stand Up Paddle e muito raro ver pessoas fumando.

Definitivamente, Aracaju vai te inspirar a ter hábitos saudáveis!

15. Povo simpático e prestativo

Em Aracaju, as pessoas em geral são muito simpáticas, acolhedoras e prestativas. Tendo vivido em Aracaju por 4 anos, sou testemunha disso. Até quem vem de fora acaba assimilando um pouco da chamada “Sergipanidade”. Vá para Aracaju que você será muito bem recebido!


E você, já visitou Aracaju? Dê a sua opinião sobre a cidade aqui nos comentários!

Author

Apaixonado por viagens e por fotografia. Começou a descobrir o mundo há 10 anos e já visitou 71 países. Gosta de caminhar a esmo pelas cidades mundo afora, observando as pessoas, as comidas, as construções e a arquitetura. É formado em Engenharia e Direito.

4 Comments

    • Luciana Mardegan Reply

      Oi Luis, que bom que você gostou! Se tiver dicas da cidade, fique à vontade para compartilhar! Abs, Luciana

  1. Discordo deste post.
    Sim, Aracaju é bem tranquilo, mas a orla de Atalaia está abandonada, os Arcos da praia estão todos enferrujados, as feiras de artesanato são todas iguais e pouquíssimas barracas funcionando…um desperdício de tempo.
    Os restaurantes da orla, se não forem os mais caros, não vá…o atendimento é vagaroso( esperei 35minutos para comer um prato de lambreta no Rainha da Peixada).
    Aliás preferi comer nós quiosques onde foi mais barato e mais rápido)
    Os passeios pelas agências são caros e muito demorados como a Croa do Gore e a Lagoa dos Tambaquis…
    Só vá a Aracaju se vc não tiver grana pra ir a outro destino..
    Só concordo com com uma coisa: o povo realmente é maravilhoso!!!!

    • Luciana Mardegan Reply

      Oi Maracy,
      Obrigada pelo seu comentário! Acho importante essa diversidade de opiniões. Acredito que toda a experiência de viagem é influenciada por diversos fatores. Moramos em Aracaju por 5 anos e a cidade nos recebeu muito bem! Fizemos ótimos amigos e fomos muito felizes… talvez por isso ,não tenhamos notado os arcos da praia enferrujados rs
      Além disso, viajando pelo nosso Brasil, concordo com você, as feirinhas de artesanato estão cada vez mais massificadas mas, percebi isso em vários destinos turísticos, não apenas em Aracaju.
      Com relação aos restaurantes, pena não ter lido nosso post. Recomendamos alguns restaurantes que gostamos bastante na capital sergipana. Apenas um deles fica na Orla, justamente pelos pontos que você apontou!
      Apesar de não ter as praias mais bonitas do nordeste e nem a melhor infraestrutura turística, espero que um dia tenha a oportunidade de voltar, e que Aracaju a conquiste, como nos conquistou!

Write A Comment

Pin It