Brasília é repleta de atrações turísticas interessantes. Dentre essas atrações, merece destaque o Palácio Itamaraty, a sede do Ministério das Relações Exteriores (MRE). É o mais belo palácio no circuito do turismo cívico da capital federal.  Durante a visita, você vai conhecer e se impressionar com os diversos salões e obras de arte que adornam o palácio, sem falar na sua arquitetura moderna. Melhor de tudo: a visitação é gratuita! 

O Palácio, também chamado de Palácio dos Arcos, foi projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970. O projeto paisagístico é de autoria de Burle Marx. É famoso pelos seus arcos refletidos no espelho d’água e pela escultura Meteoro de Bruno Giorgi (essa bola branca no espelho d’água).

A propósito, a escultura Meteoro é feita de 5 partes, representando 5 continentes, e é redonda, para ilustrar a “fluidez diplomática”.

Escultura Meteoro
Escultura Meteoro

Sobre Brasília, leia também:


Palácio Itamaraty x Palácio do Itamaraty

Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro
Palácio do Itamaraty no Rio de Janeiro (créditos: Fernanda/CC BY SA 4.0/Wikimedia)

É importante não confundir o Palácio Itamaraty, em Brasília/DF, com o “Palácio do Itamaraty”, no Rio de Janeiro/RJ.

Este é uma construção do século XIX, localizada na região central do Rio (Av. Mal. Floriano, 196), próxima à Estação Central do Brasil. Serviu como sede do Ministério das Relações Exteriores (1899-1970) na antiga capital federal, antes, portanto, da construção do palácio em Brasília.

Nas suas instalações, hoje funciona o Escritório do MRE no Rio de Janeiro, o Museu Histórico e Diplomático e o Escritório de Informações das Nações Unidas no Brasil.

Agendamento da visita

Palácio Itamaraty, Brasília
Palácio Itamaraty, Esplanada dos Ministérios

A visitação é guiada e gratuita, mas necessita de agendamento prévio, que pode ser feito por e-mail (visita@itamaraty.gov.br) mediante o envio de um formulário preenchido com os dados dos visitantes (clique aqui).

O agendamento é feito apenas  em dias úteis (segunda a sexta-feira), entre 9h e 17h, até o dia anterior à data desejada.

As visitas, por sua vez, ocorrem de terça a sexta-feira (9h30 e 16h) e aos sábados e domingos (9h, 10h30, 15h, 16h30).

Importante mencionar que, nos dias úteis, há algumas restrições de vestimenta e que, mesmo agendadas, as visitas podem ser canceladas em razão de compromissos oficiais no palácio. Ademais, os visitantes estão sujeitos aos protocolos de segurança do MRE e de proteção contra a Covid-19. Confira as instruções completas de visitação, clique aqui.

  • Dica: nos finais de semana, os horários costumam ser lotados, por isso, não deixe de reservar com antecedência. E é bom chegar ao local com pelo menos 15 minutos de antecedência para não perder a vaga.

Roteiro da Visita

A entrada de visitantes está situada no lado oeste do Palácio Itamaraty, em frente ao Ministério da Saúde.

Entrada para visitação no Palácio Itamaraty
Entrada para visitação – lateral do Palácio Itamaraty

A visita começa no térreo, no vão livre sem pilares. Neste local, é possível apreciar algumas obras de arte de Athos Bulcão, de Omar Franco e de Zélia Salgado (folhagem).

Além disso, há a obra Polivolume, de Mary Vieira, que pode ser tocada pelos visitantes e assume diversas formas conforme a interação das pessoas.

Polivolume
Polivolume

Há apenas dois locais do palácio em que o visitante pode tirar fotografias: no térreo e na parte aberta do 2° andar.

Uma belíssima escada helicoidal dá acesso ao primeiro andar. Recomenda-se caminhar pelo tapete vermelho no centro da escada, pois não há corrimãos. Aliás, em boa parte da visita, a guia fornece orientações de segurança aos visitantes.

Uma escultura chamada Metamorfose fica ao lado da escada. À medida que caminhamos olhando para a escultura, a mesma assume outras formas.

No primeiro andar, ou mezanino, há a Sala onde é entregue a Medalha da Ordem do Rio Branco e a Sala dos Tratados, onde são firmados os acordos e tratados internacionais.

Sala dos Tratados (Foto: Daniela Duarte/MRE)
Sala dos Tratados (Foto: Daniela Duarte/MRE)

Sala dos Tratados fica posicionada em frente ao Ministério da Justiça, do outro lado da Esplanada dos Ministérios. A ideia é ter a Justiça como testemunha dos tratados firmados.

A vista de lá é incrível. Infelizmente, não pudemos registrá-la.

Arcos - Segundo Andar
Arcos – Segundo Andar

No segundo andar, há salas de coquetel (sala Dom Pedro I, sala Portinari), com diversas obras de arte, incluindo telas como a do Reconhecimento do Império e do Grito da Independência, sem falar nos tapetes persas, que chegam a ter incríveis 70 m².

Passamos, então, à Sala Duas Épocas, que é a menor das salas de coquetel, com móveis jacarandá (do século XVIII) e obras de arte do século XX. Daí o nome da sala.

No local, há um jogo de cadeiras da Princesa Isabel e uma espreguiçadeira do Barão do Rio Branco.

De lá, passamos à parte aberta, onde novamente é possível tirar fotos.

Jardim - Palácio do Itamaraty
Jardim suspenso de Burle Marx – Palácio do Itamaraty

Por lá, você encontra um Jardim suspenso de Burle Marx e algumas obras de arte como o Canto da Noite, o nu deitado e as Três jovens.

Mas, o que mais encanta os turistas é apreciar os arcos do palácio e o teto vazado.

Por fim, seguimos às Salas de Jantar (sala Bahia, sala Rio de Janeiro e sala Brasília), com Cadeiras Jacarandá do século XVIII e mesas da era contemporânea.

No final da visita, apreciamos a peça mais antiga do Palácio: um biombo da Dinastia Ming, na China (século XIV).

Vídeo da Visita

Confira, a seguir, um vídeo com uma amostra da visita ao Palácio Itamaraty.

Resumindo…

O Palácio Itamaraty é uma das melhores atrações do turismo cívico de Brasília. Para quem é apreciador de arte, a visita é obrigatória. É impressionante o acervo do Palácio.

Há alguns pontos negativos na visita:

  • A guia que nós pegamos (visitamos num domingo) estava pouco disponível para responder às perguntas.
  • lugares inseguros do palácio. Além da escada, já mencionada, a passarela lateral de entrada do palácio também não tem corrimãos, o que pode fazer com que algum visitante distraído caia no espelho d’água.
  • Para o turista, é muito “chato” não poder tirar fotos em todos os ambientes e registrar o máximo da sua visita a um palácio tão rico e belo.

Apesar disso, recomendo muito a visita! Mais informações, confira o site do Itamaraty.

Apaixonado por viagens e por fotografia. Começou a descobrir o mundo há 10 anos e já visitou 71 países. Gosta de caminhar a esmo pelas cidades mundo afora, observando as pessoas, as comidas, as construções e a arquitetura. É formado em Engenharia e Direito.

Escreva seu Comentário

Pin It