Brasília é o destino ideal para o turismo cívico no Brasil. É na capital federal onde se concentram as principais instituições da República. Ao conhecê-las, você pode melhor entender o seu funcionamento e, consequentemente, exercer sua cidadania de forma consciente e responsável.

  • De fato, os assuntos públicos estão cada vez mais complexos. Por isso, é importante conhecer antes de criticar. Ser cidadão dá trabalho!

Para quem não sabe, o turismo cívico é uma modalidade de turismo cultural cujo foco é conhecer a organização constitucional e política de um país, estado ou município. O turista visita instituições de governo, monumentos e outros locais de relevância histórica e estrutural para a compreensão da construção política e de seus fatos e personagens do passado e do presente (Fonte: Secom/Senado Federal).

Uma grande vantagem de fazer turismo cívico em Brasília é que a maior parte das atrações tem entrada gratuita. Entretanto, em algumas delas, é necessário agendamento prévio. Observe que, em virtude da pandemia, a visitação a algumas destas atrações pode estar suspensa, mas, de qualquer forma, você pode contemplá-las por fora.

Neste artigo, selecionamos os 10 principais palácios e monumentos em Brasília para você conhecer melhor o seu o próprio país. Confira!

1. Palácio do Itamaraty

Fachada do Palácio do Itamaraty, Brasília, Distrito Federal
Palácio do Itamaraty

O Palácio do Itamaraty já chama a atenção por fora, principalmente à noite, quando está todo iluminado. É famoso pelos seus arcos refletidos no espelho d’água e pela escultura Meteoro, feita de 5 partes, representando os 5 continentes. As obras e esculturas que enfeitam o interior do Itamaraty são fantásticas.

Gosto muito da obra Polivolume que pode ser tocada pelos visitantes e assume diversas formas conforme a interação das pessoas. Outra que admiro é a escultura Metamorfose. Como o próprio nome diz, ela também se modifica de acordo com a posição de quem a observa.

Para saber mais sobre a visitação, leia o nosso post sobre o Palácio do Itamaraty.

2. Congresso Nacional

Congresso Nacional, Brasília
Congresso Nacional

O Congresso Nacional é outro edifício imponente e também merece uma visita por sua relevância política ou arquitetônica. Chamam atenção suas duas cúpulas: a maior, voltada para cima, e a menor, para baixo. Para saber o motivo, sugiro que faça uma visita guiada!

Você vai se encantar com as histórias contadas, reconhecer os ambientes que sempre vê na TV e, quem sabe, até sentar na cadeira dos parlamentares. Sem dúvida, o contraste entre as formas desse Palácio, do céu azul e do espelho d’água, tornam esse cenário o principal cartão postal de Brasília.

O Congresso Nacional é bicameral, ou seja, possui duas Casas Legislativas: a Câmara dos Deputados, composta por representantes do povo (o número de deputados varia conforme o Estado), e o Senado Federal, composta por representantes dos Estados e do Distrito Federal (são 3 senadores por unidade federativa).

A visita institucional percorre os Plenários das duas Casas Legislativas, os Salões Verde e Azul, além do Túnel do Tempo do Senado e o Salão Nobre da Câmara dos Deputados.

A visitação funciona às segundas, quintas (apenas grupos agendados), sextas, finais de semana e feriados, das 9h às 17h30, com saídas de grupos a cada 30 minutos, a partir do Salão Negro. A entrada é gratuita.

Nos dias úteis, não é permitida a entrada de visitante trajando shorts, bermudas, camisetas sem manga, chinelos e minissaia. Essas restrições não se aplicam a menores de 12 anos.

Para grupos ou para visitar às quintas-feiras, é necessário agendar a visitação. Nos demais dias, você pode fazer o agendamento na hora e ser incluído no próximo tour.

3. Palácio do Planalto

Palácio do Planalto, Esplanada dos Ministérios, Brasília
Palácio do Planalto

O Palácio do Planalto é a sede da Presidência da República e um dos mais belos palácios da capital federal. É mais uma obra do arquiteto Oscar Niemeyer, inaugurada em 21 de abril de 1960, data de fundação de Brasília.

O Palácio fica no lado esquerdo da Praça dos Três Poderes, ao lado do Congresso Nacional e em frente ao Supremo Tribunal Federal, todos localizados no final da Esplanada dos Ministérios.

O Palácio do Planalto também abriga outros órgãos do Poder Executivo Federal como a Casa Civil e o Gabinete de Segurança Institucional. Independentemente de você gostar (ou não) deste(a) ou daquele(a) Presidente, o Palácio do Planalto, com os incríveis traços de sua arquitetura, é um patrimônio do Brasil e merece ser visitado.

A visitação ao Palácio do Planalto ocorre aos domingos das 9:30hs às 14hs, com agendamentos a cada 30 minutos. A visita é guiada e gratuita! Entretanto, é necessário agendamento prévio e os grupos são de, no máximo, 20 pessoas.  O roteiro dura em torno de 1 hora. Para saber mais, leia o nosso post sobre o Palácio do Planalto.

4. Palácio da Justiça

Palácio da Justiça, Ministério da Justiça e Segurança Pública, Brasília
Palácio da Justiça

O Palácio da Justiça é a sede do Ministério da Justiça (atualmente, Ministério da Justiça e Segurança Pública).  Está localizado ao lado do Palácio do Planalto e em frente ao Palácio do Itamaraty, na Esplanada dos Ministérios, o que permite fazer uma interessante comparação entre a arquitetura dos dois edifícios. Desde 2003, é oficialmente chamado de Palácio da Justiça Raymundo Faoro em homenagem ao famoso sociólogo e jurista conhecido pela obra Os Donos do Poder.

  • O nome “Palácio da Justiça” costuma se referir, em alguns estados, à sede do Poder Judiciário. Em Brasília, entretanto, é a sede de um órgão do Poder Executivo: o Ministério da Justiça.

O palácio foi inaugurado em 3 de julho de 1972. O projeto arquitetônico é de Oscar Niemeyer. O edifício destaca-se por possuir fachadas (Norte, Sul, Leste e Oeste) com diferentes características. A fachada principal (sul) nos encanta por seus 9 arcos assimétricos interceptados por 6 cascatas em diferentes níveis. O jardim aquático, nos arredores do prédio, foi projetado pelo paisagista Burle Marx.

É importante mencionar que, à época da construção do palácio, Oscar Niemeyer estava exilado na Europa e não pode, portanto, acompanhar as obras. Vivíamos o período mais duro da ditadura militar (com a edição do Ato Institucional n° 5). Quando retornou ao Brasil, em 1985, o arquiteto ficou indignado com o desvirtuamento do projeto original.

Niemeyer explica que o Palácio da Justiça foi concebido ao mesmo tempo que o Palácio da Alvorada,  o Palácio do Itamaraty e a Praça dos 3 Poderes. Entretanto, a sede do Ministério da Justiça demorou muito a ser construída. Em 1985, o então Ministro da Justiça aceitou realizar modificações na construção, em especial, na fachada principal, na intenção de aproximar o resultado ao projeto original.

Até recentemente, era possível visitar internamente o prédio. A visita era feita apenas para grupos de estudantes, durante a semana, e com agendamento prévio. Durava em torno de 1h30 minutos. Espero que a visitação seja retomada. Mas, não custa enviar um e-mail para o Cerimonial do Ministério para tentar solicitar uma visita. De qualquer forma, você pode apreciar o edifício por fora, observando as diferentes fachadas.

5. Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal, Praça dos 3 Poderes, Brasília
Supremo Tribunal Federal

O Supremo Tribunal Federal (STF) é a Corte mais importante do nosso Poder Judiciário; aquela mesma cujas sessões são televisionadas pela TV Justiça.

O STF é o Guardião da Constituição Federal. Em razão disso, vai lidar, principalmente, com questões relacionadas ao “poder” (quem pode fazer o que?) e também sobre direitos fundamentais. Muita gente ao criticar o Supremo desconhece qual é a sua missão institucional e, consequentemente, acaba falando bobagem!

O Supremo Tribunal Federal foi criado em 1890, após a proclamação da República. Durante o Império, o órgão de cúpula do Judiciário era chamado de Supremo Tribunal de Justiça. Após quase 70 anos de funcionamento no Rio de Janeiro, o STF foi transferido para Brasília, quando da sua inauguração. O Palácio do STF está situado na parte sul da Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto.

O palácio também foi concebido pelo arquiteto Oscar Niemeyer, mas o cálculo estrutural acabou ficando por conta do Engenheiro Joaquim Cardozo. E haja cálculo! O edifício destaca-se pela leveza das curvas das colunas, que foram construídas a partir de parábolas. Isso tudo com apenas um ponto de apoio. A fachada de vidro complementa o projeto tornando a arquitetura ainda mais inovadora.

À frente do Palácio STF, encontra-se a Estátua da Justiça. Trata-se de uma mulher de olhos vendados, simbolizando a imparcialidade da justiça, e com uma espada nas mãos, simbolizando a força para impor as suas decisões. A escultura de granito é do artista Alfredo Ceschiatti e tem impressionantes 3,3 metros de altura.

A visitação ao Palácio é guiada e tem duração aproximada de 1 hora, passando pelo Salão Nobre, pela Galeria dos Ex-Presidentes e pelo Túnel Subterrâneo, dentre outras dependências. O ponto alto da visita é o Plenário, onde os casos de maior repercussão são decididos pelos Ministros.

No percurso, o visitante poderá apreciar belíssimas obras de arte, esculturas, painéis e, também, a arquitetura de Niemeyer. Na saída, não deixe de tirar uma foto com a Estátua da Justiça, na Praça dos Três Poderes.

A visitação ocorre geralmente nos dias de semana. É necessário agendamento prévio. Consulte o site do Supremo Tribunal Federal para mais informações.

6. Palácio da Alvorada

Palácio da Alvorada, Brasília
Palácio da Alvorada (CC BY 2.0 – Foto: Isac Nobrega/PR)

O Palácio da Alvorada é a residência oficial do Presidente da República. Está localizado numa península às margens do Lago Paranoá e próximo ao Setor Hoteleiro Turístico Norte. Foi a primeiro prédio de alvenaria construído em Brasília, inaugurado em 30 de junho de 1958.

O palácio também foi concebido por Oscar Niemeyer com projeto estrutural do Engenheiro Joaquim Cardoso. As bases delgadas do edifício chamam a atenção: “as colunas apenas tocam o chão, dando a impressão de que o edifício flutua no ar” (fonte: Wikipedia).

  • O nome Alvorada vem da expressão “Alvorada de uma nova era”, modo pelo qual o Presidente Juscelino Kubitschek referia-se à nova capital.

O edifício principal, com formato retangular, tem 7.000 m2 e três andares. Destaca-se pelas suas colunas de mármore branco, que se tornaram o símbolo de Brasília, e pela sua fachada de vidro. À frente, há um espelho d’água com uma escultura de bronze chamada “As Iaras”, também de Alfredo Ceschiatti. Além do edifício principal, o Palácio conta com dois prédios adjacentes: a Capela e o Heliponto.

Infelizmente, desde 2019, a visitação ao Palácio da Alvorada encontra-se suspensa e sem data para ser retomada. A visitação costumava ocorrer às quartas-feiras à tarde. Era necessário agendamento prévio. A visita era feita em grupos de 30 pessoas e tinha duração de 30 minutos. Dos espaços internos, incluia, tão somente, o salão de entrada e a capela. Na área externa, era possível conhecer o andar térreo, o jardim e a piscina.

De qualquer forma, você pode apreciar o Palácio da Alvorada à distância.

7. Praça dos 3 Poderes

Praça dos Três Poderes, Brasília
Praça dos Três Poderes: à esquerda, o Panteão Nacional, à direita, a escultura Os Candangos

A Praça dos Três Poderes é assim chamada porque está entre as sedes dos três poderes do Estado:  o Supremo Tribunal Federal (Judiciário) à esquerda, o Palácio do Planalto (Executivo) à direita, e o Congresso Nacional (Legislativo) à frente.

Na praça propriamente dita, existem alguns outros monumentos e construções que descreverei abaixo. Antes, porém, gostaria de dizer que fiquei muito chateada ao visitar esse amplo espaço de concreto hoje. A praça estava muito mal cuidada e suja. Além disso, muitas pedras portuguesas do piso estavam soltas e jogadas.

A primeira construção é um prédio em formato de T que tem, em uma de suas fachadas, o busto de JK em mármore: o Museu Histórico de Brasília. O museu alberga 16 painéis gravados em mármore com citações sobre a transferência e construção da nova capital.

Em frente ao STF está o Espaço Lúcio Costa. Desça a escadaria e, em um espaço subterrâneo, você encontrará a maquete da capital com 179m2, além da reprodução dos documentos do relatório do Plano Piloto de Brasília e uma maquete menor em braile.

Ao fundo, está o Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves. O espaço, cuja arquitetura lembra uma pomba, é uma homenagem a Tancredo Neves e àqueles  que contribuíram para a democracia e liberdade do país. Dentro do panteão, você encontrará painéis de Athos Bulcao e vitral de Mariannne Peretti.

Ao lado do Panteão, está o monumento mais importante: o Pavilhão Nacional. Um mastro de 100 m de altura suporta a bandeira do Brasil que é trocada no primeiro domingo de cada mês, em uma cerimônia conduzida, em rodízio, por uma das forças armadas.

Na praça, ainda há um centro de informações turísticas e a famosa escultura de Bruno Giorgi: Os Candangos.

8. Memorial JK

Memorial JK, Brasília
Memorial JK

O Memorial JK é uma homenagem ao fundador de Brasília, o ex-presidente Juscelino Kubitschek. Sara Kubitschek, sua esposa, foi a idealizadora do projeto. Com o objetivo de manter viva a memória do marido, conseguiu a doação do terreno (local onde foi realizada a primeira missa da nova capital) e angariou doações e recursos para a sua construção.

Inaugurado em 1981, o museu chama a atenção de quem passa pelo Eixo Monumental.  A estátua, de um simpático Juscelino, acenando do alto de uma coluna de 28m, dentro de uma foice, tornou-se um dos cartões postais de Brasília.

Na ocasião da construção, essa estátua, idealizada por Niemeyer e realizada por Honório Peçanha, foi tema de muitas discussões. Alguns afirmavam ter sido inspirada no símbolo do comunismo, fato, entretanto, sempre negado pelo arquiteto.

O prédio externamente é um grande bloco de mármore branco, rodeado por espelhos d’água e jardins. A entrada é feita por um túnel com inúmeras fotos históricas de Juscelino, tanto na vida política, como em sua vida pessoal, além de uma pequena loja de souvenirs com preços convidativos.

No térreo do memorial, além do Gabinete de Sara Kubitschek, o visitante encontra uma sala de pesquisa e um hall com vídeos apresentando detalhes da construção de Brasília. Além disso, também se encontra uma réplica da biblioteca de Juscelino e a sala do Plano de Metas, com os objetivos desenvolvimentistas de Brasília. Na entrada desta sala, uma projeção em tamanho natural do ex-presidente recepciona os visitantes.

No segundo andar, encontra-se em destaque, no centro do ambiente, o túmulo de JK, todo em mármore negro. Painéis circulares esculpidos por Athos Bulcão rodeiam a câmara mortuária, e um vitral feito por Marianne Peretti permite uma iluminação cênica em tons de vermelho que varia com a posição do sol. Muito impressionante!

No segundo andar, o visitante também encontra um acervo com fotos e objetos pessoais do ex-presidente e de sua esposa, tais como, vestuários, medalhas e a faixa presidencial.

As visitas ocorrem de terça a domingo das 9h às 18h. O ingresso custa R$10,00 (estudantes e idosos pagam meia entrada).

9. Memorial MPF

Procuradoria-Geral da República, Ministério Público Federal, Brasília
Procuradoria-Geral da República

O Memorial MPF é um espaço cultural moderno e interativo que retrata a relação entre o Ministério Público Federal e a sociedade. Localizado no térreo do bloco C da Procuradoria-Geral da República, esse espaço de 300 m2  traz informações sobre as atividades do MPF, além de  homenagear os que participaram da sua história.

“Os recursos expositivos se dividem entre telas interativas, projeções panorâmicas, bens históricos musealizados e maquete tátil do prédio da Procuradoria-Geral da República” (site do memorial)

O Memorial também possui um auditório com capacidade para 50 pessoas e programação específica, disponível no site. O Memorial costumava estar aberto de segunda à sexta-feira das 13 às 17hs.

As visitas estão temporariamente suspensas devido à pandemia, mas você pode fazer uma visitação virtual.

10. Quartel General do Exército

Praça Duque de Caxias, Quartel General do Exército, Brasília
Praça Duque de Caxias, Quartel General do Exército

O Quartel-General do Exército é a sede do Comando do Exército Brasileiro. Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, teve sua construção iniciada em 1969 e finalizada em 1973. À frente do Quartel está a imponente Praça Duque de Caxias, onde se encontra a concha acústica (palanque monumental) e o Obelisco, que fazem alusão à espada de Duque de Caxias. Também projetado por Niemeyer, é um monumento que rende belas fotos! Não deixe de brincar com o eco produzido pela concha acústica: é impressionante!

E frente ao QG, do outro lado da rua, está a praça Cívica do Quartel General do Exército, popularmente conhecida como Praça dos Cristais. Foi projetada pelo paisagista Burle Marx e representa as riquezas minerais do Planalto Central. Possui um lago artificial no centro e vários espelhos d’água com esculturas em pedras, representando os cristais. Eu, particularmente, gosto muito dessa praça, principalmente à noite, quando recebe iluminação especial.

Pouca gente sabe, mas também é possível visitar o QG. Basta fazer sua reserva no site. Para ocorrerem, as visitas requerem um mínimo de 10 pessoas. Deve-se atentar para o código de vestimenta exigido: calça comprida, sapato fechado e camisa de manga.

O Quartel General está localizado no Setor Militar Urbano numa das extremidades do Eixo Monumental.

2 Comentários:

  1. Minha sugestão, que inclusão nos pontos turísticos a Catedral de Brasília e o Catetinho, localizado no sítio Olho d’água

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

>>>