Se você pretende visitar Myanmar, a antiga Birmânia, não pode deixar de assistir o filme “Além da Liberdade” (em Inglês, The Lady) para compreender a história recente do país.

Filme Além da Liberdade, Myanmar
Filme Além da Liberdade

Aung San Suu Kyi

O filme trata da vida de Aung San Suu Kyi, líder da Liga Nacional para a Democracia e filha do General Aung San, militar que teve um importante papel na independência da Birmânia do Império Britânico. Ele foi assassinado em 1947, quando ela tinha apenas 2 anos.

Aung San Suu Kyi cresceu e constituiu família no Reino Unido, mas retornou à Birmânia em razão da saúde debilitada de sua mãe. Nesta oportunidade, foi chamada a liderar o movimento de redemocratização do país, que vivia anos de uma ditadura militar e socialista.

Em 1991, foi condecorada com o Prêmio Nobel da Paz pela sua resistência pacífica ao regime, mas não pode receber o prêmio naquela época. Ficou sob prisão domiciliar por muitos anos na mansão da sua família em Yangon às margens do Inya Lake.

  • Em 2016, quando estive em Yangon, pude ver a casa dela, mas apenas pelo lado de fora.

A junta militar que governava o país deixou formalmente o poder em 2011, mas ainda continua a exercer forte influência no país. Hoje ela é Parlamentar, seu partido é majoritário no Parlamento na nova capital Naypyidaw.

  • Aviso: Atualmente, a parlamentar é considerada lider “de facto” do governo, e sofre fortes críticas internacionais por não proteger os muçulmanos da etnia rohingya, uma minoria que vive no estado de Rakhine, na costa oeste de Myanmar. A incursão do exército em agosto de 2017 em Rakhine deixou milhares de mortos e refugiados que se deslocaram para Bangladesh. Isso levou várias pessoas mundo afora a pedir a Aung San Suu Kyi que “devolva” o Prêmio Nobel da Paz.

Sobre o filme ‘Além da Liberdade’

No filme, lançado em 2011, o que mais se destaca é a atuação da atriz malasiana Michele Yeoh, que chegou a aprender birmanês para fazer algumas cenas.

À época da filmagem, o país ainda vivia sob o regime ditatorial, com restrições para visitantes estrangeiros e, ainda mais, para a produção de um filme com severas críticas ao regime.

 

Em razão disso, boa parte da filmagem foi feita na Tailândia, país vizinho. Outra parte foi feita clandestinamente em Myanmar.

Para a filmagem, foi construída na Tailândia uma réplica da mansão de Suu Kyi, onde se passa boa parte da trama do filme. Dezesseis pessoas que ajudaram nas filmagens clandestinas foram presas pelo governo de Myanmar.

Vista Aérea de Bagan, Myanmar
Vista Aérea de Bagan (foto: ClasseTurista.com)

Durante o filme, aparece frequentemente o cenário dos templos de Bagan em Myanmar, mas a trama, como foi dito, se passa essencial em Yangon, que era capital à época.

O filme é incrível, bonito, emocionante e é essencial para quem quiser visitar ou conhecer a história recente da antiga Birmânia.  É a história de uma líder que, entre a família e o seu país, optou pelo seu país.

Sinceramente, espero que o presente não comprometa este glorioso passado!

Apaixonado por viagens e por fotografia. Começou a descobrir o mundo há 10 anos e já visitou 71 países. Gosta de caminhar a esmo pelas cidades mundo afora, observando as pessoas, as comidas, as construções e a arquitetura. É formado em Engenharia e Direito.

Escreva seu Comentário

Pin It